terça-feira, 5 de abril de 2011

DIDN'T SEE IT COMING...




Acordo e lembro dos meus sonhos. Talvez tenham sido reais, não consigo distinguir. Mas descubro que estou diferente, já não tenho tanto controle sobre minhas vontades, meus pensamentos. Um click, e de repente tudo se torna claro. Assustada, não preciso de espelho para ver, está na minha cara... estou apaixonada.

Sem reação, não sei como processar a novidade. Me tranco em meu quarto e divido com meus travesseiros minha alegria, os medos que afloram, um mix de sentimentos que faz minha cabeça rodar. Sim, a ressaca também tem efeitos sobre mim, mas o baque rapidamente me traz de volta a lucidez, a sobriedade.

Me sinto vulnerável. Traumas e más recordações voltam para me assombrar. Ainda não sei se é bom ou ruim ficar a mercê de um sentimento que me traz tanta fragilidade. Sou racional, tenho os pés no chão... e no momento estou flutuando, sem saber pra onde estou indo. Receosa e, confesso, com vergonha, revelo a uma amiga minha nova descoberta. Ela ri. Já sabia há muito. Será que só eu não sabia... será que ele sabe... Estou confusa. Preciso de mais tempo para absorver esta informação.

Volto.

terça-feira, 7 de julho de 2009

COMO SERÁ O AMANHÃ? RESPONDA SE PUDER.

Ex-presidente Itamar Franco e famosa “quem”sem calcinha no carnaval de 1994

Depois de muito tempo finalmente resolvi dar as caras no meu blog. Amo escrever, mas minhas prioridades e total falta de tempo me afastaram daqui por um bom tempo. Pensei em dissertar sobre mil assuntos... mas nada de sentar e escrever.

Chego em casa tarde, ou vejo emails do trabalho, ou vou direto fazer compras no mercado, ou tenho aula, ou saio direto pra jantar, ou tenho compromissos diversos, companhia em casa ou simplesmente chego mega exausta e só quero ver minha cama.

Hoje, depois de me entupir de bobagens da padaria, minha consciência não me deixou deitar e dormir. E voilà, lembrei do Blog.

O assunto do dia foi o funeral de Michael Jackson. Sim, pra escrever no blog não tenho tempo, contudo os 140 caracteres do twitter me permitem passar o dia entre o trabalho e pequenos relatos twittados a cada detalhe visto. Acompanhei tudo, desde a preparação, à chegada da família, o caixão de ouro, os shows... E digo: É impressionante a comoção do tanto de pessoas que nem sequer curtiam a música dele. Tudo bem, uma morte súbita, filhos órfãos e tal, mas assim... o cara está lá em L.A., nunca vi, nunca falei, não ouço nada de M.J. desde 1982 quando fez sucesso com Thriller, e de repente vou me debulhar em lágrimas? Acho que não.

Não posso negar, Michael Jackson mostrou-se um astro genial desde a infância, porém os anos o transformaram em controverso e polêmico, e já não tão musical assim. Uma pessoa fora dos padrões, onde nem ele mesmo parecia saber onde se enquadrar. Grandes homenagens foram feitas e, confesso, bem menores do que eu imaginava. A morte de Lady Di ficou muito mais marcada pra mim. Talvez também por sua história de vida, pontuada com sofrimentos e um imenso espírito solidário. Louvável.

Bom, então depois da lavagem cerebral da mídia com o tal funeral, chego em casa em busca de notícias. Sim, porque a vida não para e agora a noite só se fala do casamento de Stephany Brito e Alexandre Pato. Até onde sei, Stephany era simplesmente a irmã do ator Kaky, e Pato, um jogador bom, porém não espetacular, que teve a sorte de conseguir, numa das maiores transações já realizadas pelo futebol brasileiro, um mega contrato para jogar no Milan, da Itália. Agora especula-se sobre a ida dos famosos ao casório e recepção no Copacabana Palace. Luciano Huck já avisa via twitter que só vai depois do Jornal Nacional. Bruno Gagliasso perde o convite, acha e se enrola no nó da gravata. E amanhã veremos mais fofocas e fotos do “grande evento” da cidade.

É impressionante como as manchetes mudam. Já não se fala mais de um corpinho achado no acidente do vôo da Air France, a campanha fora Sarney perdeu força e deu lugar a nova crise da CPI da Petrobrás, e depois de amanhã, sabe-se lá o que será notícia.

Como a vida é fugaz.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

- O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO AGORA?

O QUE VOCÊ FEZ EM SUA VIDA?
- Você não leu meus tweets?

De um vício para outro, não consigo escapar de horas perdidas com bobagem. Antes a insônia por causa do maldito BBB, agora minha nova mania: twitter!

Isso não é novidade para muita gente, mas na minha vida só entrou recentemente.

Eu, que sou uma pessoa super na minha, discreta, que prezo pela minha privacidade, agora escrevo a torto e a direito, compulsivamente, o que estou fazendo: indo tomar banho, no trânsito, fazendo jantar para família... e por aí vai. Uma sucessão de satisfações na internet sobre minha vida pessoal em detalhes.

Inicialmente entrei para fuxicar vida alheia. Não demorou muito e logo virei uma STALKER * assumida. Asthon Kutcher e Demi Moore, não param um segundo. São dois compulsivos que escrevem toda hora e até foto da Demi de calcinha arrumando a mala Ashton postou. Sem esquecer de mencionar que recentemente Demi “salvou” a vida de uma seguidora, ao avisar a polícia que ela ia se suicidar. É, a coisa é séria, e Ashton já está para alcançar a soma de um milhão de seguidores. Uia.

John Mayer é outro: perde a namorada, por dar mais atenção ao twitter e ainda assim não perde a oportunidade de twittar logo em seguida o rompimento. Entre o twitter e Jennifer Aniston, adivinha com quem ele ficou?

P. Diddy não deixa escapar uma e digita em meio à entrevista com Ellen Degeneres, que por sua vez adora a brincadeira e usa para divulgar seu programa usando a mesma ferramenta. Até Barack Obama não deixa de twittar.

Depois de ouvir uma coisa aqui, outra ali, como não me entregar a esta mania? Agora fico sabendo quando a cantora Maria Rita almoça com o filho, que Nicole Ritchie também assiste American Idol, que a atriz Mandy Moore está com saudades de casa, que Kim Kardashian estava no México, que o chef Jamie Oliver comeu um salmão delicioso e crocante, que Rafinha Bastos come no Mc Donalds e depois fica praguejando a gula e xingando o palhaço, que Snoop Dogg só escreve com gírias e não entendo metade do que ele fala... Ah sim, e que Clara, minha amiga, está brigando com o telemarketing da TIM há mais de meia hora, que Zandra quer participar do próximo BBB para ganhar dez milhões. O que muda na minha vida saber isso tudo? Nada! O pior é isso... Não me acrescenta naaaada. Mas eu a-do-ro.

O twitter não toma muito tempo, são apenas 140 caracteres por vez e ainda descobri que posso postar também através do telefone. Agora ferrou. Fico com a mão coçando até no meio da minha aula de batuque. Ai!! Bora ver até quando e até onde levo isso.

Bom, agora dá licença, que preciso twittar avisando que postei no blog.

* Stalker em inglês significa aquele que espreita, que persegue. Graças a Mari eu escrevi certo. Tava falando certo, sabendo o que era, mas confesso que nunca na vida tinha precisado escrever essa palavra em inglês. Voilà... ajuda de amiga é sempre bem-vinda.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

- WONDERbra WOMAN


Acabo de ler uma notícia no jornal, no mínimo, interessante. Depois do escândalo do dinheiro na cueca, guardar dinheiro em roupas íntimas vira moda e até salva vidas!


Em Salvador uma mulher escapa da morte por causa de 150 reais! E quem disse que o real não vale nada? Um chumacinho de notas guardadas no sutiã vale uma vida!

O tiro saiu pela culatra, ou melhor, nem entrou. Não sei se é muita sorte da mulher de ter escapado, ou azar de estar no ônibus na hora que os ladrões entraram. Tostines é fresquinho porque vende mais, ou vende mais porque é fresquinho?? ( nossa, isso é veeeelho!)


Enfim, ao ler a notícia, a primeira coisa que me veio a cabeça foi: e se ela tivesse silicone? Hahaha. Mas para pra pensar - não deixa de ser também um escudo de proteção interno! Agora as mulheres já têm mais um motivo para turbinar os seios. "Não é apenas estética, gente, é proteção!!"- podem justificar aos quatro ventos para quem recriminar o gasto com a plástica!


Humpt. Depois dizem que as mulheres são fúteis, ora vejam só. Já que a polícia não funciona, o jeito é se proteger de formas alternativas.Tá certo. Bora colocar silicone, mulherada!

PS. Bizarra esta foto. Diria até nojenta. Mas ahhh, tinha que ilustrar!!!

quarta-feira, 1 de abril de 2009

- VISITA INDESEJADA


A Insônia apareceu em minha vida recentemente. Devagar, alternando dias para não se mostrar inconveniente, surgiu do nada, se fez companheira, e agora não quer mais ir embora.

Tento evitá-la, não recebê-la, mandá-la desaparecer, não estou, volta outro dia... Mas o Sono, que não é me muito grato, por eu solicitá-lo pouco, abre a porta, sorri ironicamente, e a convida para entrar. Ele já vem reclamando há anos que quer ficar mais que cinco, seis horas por dia, mas eu nunca dei muita trela. Agora ele resolveu se revoltar e sair tarde da noite. Puff!! Simplesmente se manda e não comunica que horas volta. E sempre na hora que o Estado de alpha avisa que vem nos fazer companhia.

Começa então o martírio ao lado da visita indesejada: horas em frente à TV, livros, músicas, e pensamentos desde os furtivos aos mais sérios e complexos sobre questões globais. A essa hora? Sim, é o que tenho de munição para o tempo ao menos passar e ela se mancar que não estou dando bola. Mas as opções não me ajudam, e vejo que a Insônia continua prostrada ao meu lado. Ai, como dormir? Conto carneiros... Sem efeito: mil, dois mil, chatooo. Zapeio e acho um filme ótimo que está começando, mas termina as cinco da manhã. Não. Não darei corda para a visita. Deitada estou, deitada fico, o sono há de vir. Evito ao máximo sair da cama, e fazer algo produtivo já que estou acordada. Não me permito para não dar a batalha como vencida. E também decido não envolver ninguém e nem nenhum fator externo em minha luta. Sozinha, fecho os olhinhos. - Volta, por favor, suplico ao Sono. - Eu juro que deixo você ficar umas 12 horas esta noite pelo menos. Abro o olho lentamente, fingindo nem ver, mas lá está a danada da Insônia, à vontade, sem menor menção de partir.

Eis que surgem os primeiros sinais do novo dia, e com ele o desespero de não ter conseguido descansar nem umas horinhas ao menos... E neste mesmo instante, como tem feito quase que diariamente, a Insônia finalmente avisa que está de partida. Compaixão? Não, ela vai bater em outras vizinhanças onde o fuso horário é mais oportuno. A porta se abre, e o Sono volta sem dar explicações pelo atraso. Ok, aceito. Me restam duas ou três horas antes do meu dia começar. Mas ao se despedir, os dois confabulam, e a Insônia fala com sarcasmo: “Até amanha.” Arg.

Como começou a ser um problema recorrente, decidi buscar as causas da visita da maldita da Insônia. Para um combate é de suma importância conhecer bem o adversário.

Dizem que em idade avançada a insônia é mais freqüente – a partir dos 60 anos. Bom, estou loooonge disso.Histórico de depressão também é uma causa comum. Mas depressão não tem vez comigo, nunca teve. Aí fui buscar na Internet, outras possíveis causas: estresse (passo, ando super zen), ansiedade (minha única ansiedade no momento é para dormir), problema médico ou uso de alguns medicamentos (passo).

Como não me enquadrei em nenhum dos possíveis sintomas, continuei procurando: Ambiente barulhento? À noite meu quarto parece um templo budista de tão calmo. Nervosa? Com problemas? Com dilemas na vida? Nada.

Na avaliação mais profunda do momento que estou vivendo, descubro que estou ótima, tranqüila, feliz, e o único problema que me aflige é efetivamente a ausência do Sono. Como o problema pode ser a causa?

E para piorar, em meio a pesquisas descubro que dormir pouco engorda. Ai, agora acho que fiquei sim estressada. Ninguém merece!

A noite se aproxima... E lá vamos nós. De novo. Será que vassoura de cabeça pra baixo atrás da porta adianta?

Ps. Foi só um desabafo. Não busco receitas nem conselhos. Já estou munida das minhas armas preventivas e ativas: evito cafeína, deito cedo, deixo minha cama bem cheirosinha e aconchegante... E daí vai uma longa lista de precauções e atitudes para vencer a guerra. Não há de durar. ;)

PS2. Ai, ok. Confesso, confesso com vergonha, mas sou viciada no BBB, e assisto até morrer. O que tem contribuído muito para a minha falta de sono. As coisas só acontecem de madruga e daí a origem da minha falta de sono. Rsrs. Pena que a Globo não mostra tudo, e faz edições absurdamente parciais e tendenciosas. ARG. Mas tá acabando também... a partir de 7 de abril dormirei mais cedo e tranqüila, e talvez até sofra de abstinência. haha

quarta-feira, 18 de março de 2009

- COISAS QUE APRENDI ASSISTINDO PORNÔS



As mil e uma atividades paralelas, o trabalho e a total falta de tempo me fizeram tirar umas férias forçadas do blog. Forçadas, involuntárias e indesejáveis, pois como já disse aqui, amo escrever.

Mas cá estou eu de volta! O retorno talvez seja lento. Na medida do possível tentarei retomar minhas crônicas, meus textos, dividir pensamentos e bobagens, entreter ou não alguns de vocês. Não estou aqui para agradar a todos, aliás, nem quero. Confesso que o principal alvo do entretenimento deste blog sou eu mesma. Sinto, mas olho meu umbigo. Se eu não gostar de mim, quem gostará?

Há algum tempo postei aqui sobre pornôs, e assumi que assisto e gosto e tal. Dentre os comentários, vi de tudo: alguns engraçadinhos desagradáveis, algumas mulheres pudicas, e um ou outro realmente captou que não há nada demais em falar sobre sexo. Quem disse que isso é privilégio dos homens? Uma amiga minha chegou a falar que eu era corajosa por ter postado aquilo. Nos tempos de hoje, me admirei sinceramente com as reações.

Sou contestadora, polêmica, sarcástica, engraçada, e faço sim e falo o que me dá na telha. Claro, desde que não afete ninguém, sou consciente e não doida. Costumam me rotular de autêntica. Bom, pra mim autenticidade na personalidade de alguém em geral é sinônimo de pessoa difícil. Já perceberam? Difícil ou esquisita. Esquisita não sou. Difícil? Diferente? Que seja. Pessoas comuns me cansam. Tomo para mim palavras uma vez ditas por Chaplin: No fim, tudo é uma piada. ;)

Então para voltar já colocando lenha na fogueira, vou postar aqui um email que recebi recentemente, com uma lista ironizando o que se “aprende” assistindo filmes pornôs. Engraçado. O email veio em inglês. Com a devida tradução, e óbvio, com meus pitacos pessoais, mexi daqui, tirei dali, acrescentei acolá e agora aqui vai para vocês. Divirtam-se.

Coisas que aprendi assistindo filmes pornôs:
  1. Mulheres sempre transam de salto alto.
  2. Homens sempre estão de pau duro, e prontos para o que der e vier.
  3. Quando fizer sexo oral numa mulher, 10 segundos são mais que satisfatórios.
  4. Quando uma mulher é surpreendida se masturbando por um estranho, ela não gritará de vergonha, e sim insistirá para que ele transe com ela.
  5. Mulheres sorriem satisfeitas quando homens gozam em sua cara. E ainda ficam brincando de gargarejo, e mostrando o gozo como se fosse a coisa mais sexy do mundo. (ARG)
  6. Mulheres AMAM transar com homens feios e de meia idade.
  7. Mulheres gemem incontrolavelmente e reviram os olhos quando pagam boquete.
  8. Mulheres sempre gozam junto com os homens.
  9. Todas as mulheres se livram facilmente de uma multa por velocidade pagando um boquete para o guarda.
  10. Todas mulheres são safadas e escandalosas.
  11. Pessoas dos anos 70 não transavam a não ser que tivesse um solo de guitarra como fundo musical, ah e todos muito cabeludos, em todas as partes do corpo.
  12. Aqueles peitos são de verdade.
  13. Uma comum e prazerosa pratica sexual para um homem é bater com seu pênis meio ereto repetitivamente na bunda de uma mulher.
  14. Homens sempre gritam “OH YEAH” quando gozam.
  15. Se um ménage acontece, os homens irão se cumprimentar com um tapinha no ar, estilo give me five - e a mulher achará super normal.
  16. Dupla penetração faz mulheres felizes.
  17. Homens asiáticos não existem.
  18. Se você cruzar com um casal transando atrás de uma moita, o cara não ficará nem um pouco puto se você enfiar seu pênis na boca da namorada dele.
  19. Enfermeiras sempre estão peladas por debaixo do micro uniformes brancos, e estão sempre dispostas a pagar boquetes para seus pacientes.
  20. Quando sua namorada te pegar transando com a melhor amiga dela, ela só fingirá estar revoltada por uns cinco minutos antes de resolver fazer uma suruba a três, feliz e contente.
  21. Mulheres nunca têm dores de cabeça, nem menstruações
  22. Quando uma mulher esta chupando um cara, é de suma importância que ele repita varias vezes “isso , chupa” para que ela não se esqueça o que esta fazendo
  23. Bundas são sempre limpas.
  24. Um homem ejaculando na bunda de uma mulher satisfaz todas as partes envolvidas.
  25. Mulheres sempre parecem incrivelmente surpresas quando elas abrem as calças de um cara e veem que ali dentro tem um pênis. Ohhh!
  26. Homens nunca têm que implorar por algo.
  27. Quando em pé durante um boquete, um homem sempre colocara uma mão na cabeça da parceira e outra no quadril, tipo lavadeira.
  28. Mulheres não têm pêlos pubianos não interessa que idade elas tenham .
  29. Mulheres estranhas não se importam se vocês catarem elas na rua para uma rapidinha no seu carro.
  30. Transar no meio do mato ou em cima de feno é ótimo. Não pinica, não tem bichos e não “soltam as tiras”.
  31. Festa de casais amigos SEMPRE se transforma num swing. Mesmo que seja um simples churrasco no meio da tarde.
  32. Toda garota com rabo de cavalo é uma adolescente.
  33. Qualquer outra é uma mãe solteira gostosa.
  34. Quando uma mulher tem ânsia de vomito durante sexo oral, é sinal de que o homem encontrou o ponto G existente em sua garganta.
  35. Mulheres odeiam conversar, mas adoram falar sobre sacanagem.
  36. Homens prestadores de serviço como bombeiros, encanadores, jardineiros e afins, são sempre gostosos e lindos e estão sempre prontos para fazer um serviço extra: comer a dona de casa.
  37. Aliás, todas mulheres abrem a porta de casa para estranhos seminuas.
  38. Mulheres sempre que se reúnem sozinhas têm um surto de homossexualidade e começam a se esfregar, e a brincar de lésbicas. Prática hiper comum.
  39. Mulheres sempre estão vestindo cinta-liga ou estão sem calcinhas no dia a dia. Não existe a opção: calcinha normal.
  40. Nenhum homem usa cuecas.

sábado, 10 de janeiro de 2009

- PINÓQUIOS MASCARADOS


Quem na vida já não conheceu um mentiroso compulsivo? Eu tive um rolo há anos atrás que era assim. Não posso negar que me divertia. Cada vez que saíamos com casais diferentes, amigos diferentes, eram as mesmas histórias, mas com versões completamente divergentes. Quanta mentiiiira. Eu deixava, né? Ia desmentir o coitado na cara dura? Nada. Estavam todos se divertindo, rindo, e eram mentirinhas bobas, sem importância. Dizem que quem conta um conto, aumenta um ponto. Este aumentava pontos, exclamações, interrogações e até reticências.

Existem pessoas que mentem tanto, que quando falam a verdade ninguém mais leva fé. Nunca se sabe. Tenho uma funcionária que vive atrasando. Como ela não vai de ônibus e não pode usar o trânsito como artifício, no começo a desculpa mais recorrente era: o metrô parou. Há? Como assim? Parou? Mas você está atrasada há mais de uma hora. O metrô se pára, pára uns cinco minutos. Mais que isso gera pânico aparece no jornal, imagina. Onde parou? Em que estação? Que horas? Vou ver na internet, vou ligar para o metrô. Como ela percebeu que não colava, as desculpas mudaram. Um dia era tiroteio perto do lugar onde mora, outro dia teve dor de barriga e parou no meio do caminho inúmeras vezes para ir ao banheiro, e por aí ia. Eu dava bronca, e ficava naquela... “me engana que eu gosto”

Aí esta semana, liga ela no trabalho, dizendo que ia atrasar porque estava no hospital tomando soro. Contou que passou mal à noite, que achava que tinha sido intoxicação alimentar, blábláblá. Pensei cá comigo: An han... Sei, sei. Como eu estava ainda em casa, nem dei muita importância. Fiquei mais preocupada em organizar as coisas em função da ausência dela. Mas de repente me deu um clic, peguei o tel e falei com a outra funcionaria: - Liga pra ela agora e pede pra trazer atestado!! Ligou. “Ih, já saiu do hospital, já esta a caminho.” E a pulga atrás da orelha a esta altura do campeonato já estava tão acomodada, que já estava até querendo montar um circo.

Enfim, pensei com meus botões: Estava no hospital nada. Fala sério. Outro clic. Humm. Liguei no trabalho, e pedi: - Quando fulana chegar, cata um buraco nela! Se ela tomou soro, tem que ter um furo no braço, em algum lugar. Vê se ela tá furada! E aí pensei: - Ahhhh, dessa vez eu pego de calça curta! Olha, aos que não me conhecem, não é que eu seja carrasca nem nada, alias, sou uma chefe bem tranqüila. Mas depois de meses de atrasos constantes e desculpas esfarrapadas, não tinha mais opção: Cata o buraco nela!

Para minha surpresa, desta vez era verdade! Ela realmente tinha passado mal, coitada. E depois eu ri, lembrando a que ponto eu cheguei... - Onde está o buraco? Haha. Tava lá, inchadinho, e ela mal, fraca e até bem pálida.

Da mesma tchurma do Pinóquio, tenho uma amiga que volta e meia me deixa recados, tipo: “Me liga URGENTE!” Nas primeiras vezes caia. Ligava correndo e largava o eu que estava fazendo, super preocupada. Nada. Era alguma dúvida boba ou fofoca furada. E pior é que ela insiste até hoje. Manda SMS: “me liga urgente!!!! Preciso falar com você!!!!” An han. Já era. Ligo nada, tô ocupada. Amanhã quem sabe. Mas sempre fica a dúvida: - E se um dia ela realmente estiver precisando de mim, desesperada, pendurada num penhasco? Este é o risco de quem mente sempre: um dia não será mais levado a sério. Vai despencar ué.

Os mentirosos compulsivos seguem à risca a filosofia de um velho provérbio escocês: "Prefiro uma mentira que me favoreça a uma verdade que me prejudique." Tá bom, mas eles que agüentem as conseqüências de seus atos. Porque um dia elas virão!! Infelizmente, ou felizmente, nem todos terão a sorte do Pinóquio com um happy end. Ahh, se pelo menos o nariz crescesse... Eu juro que já me daria por satisfeita.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

- 6 COISAS, 6 LINKS ... ou 3 x 2


Saber que as pessoas curtem o que escrevemos é uma delícia. Receber um reconhecimento, mais gostoso ainda. Recebi este selo de duas pessoas. Então vamos à divulgação do selo e às regras.

Fui indicada por Igor Pinheiro, que tem um blog sobre séries. http://seriespps.blogspot.com/.
Para quem curte séries é legal dar uma espiada. :)

E também fui indicada por Nat Valarini , do Garota Pendurada. http://garotapendurada.blogspot.com/.

Queridos, que bom que vocês gostam do meu bloguitcho. :)

REGRAS
1. Linkar a pessoa que te indicou.
O garota pendurada já estava linkado. Não topo muito linkar blogs que não têm muito a ver com o meu. Não é que eu seja chata, mas só linko quem eu realmente acompanho. E eu não tenho muito tempo mesmo pra ver muitos blogs. Bom, como sou uma fã de séries, vou linkar o Igor tb. Mas vou logo avisando que não vou sair simplesmente linkando gente nada a ver porque recebo selos, viu? Isso pra amanhã ninguém reclamar. :)

2. Escrever as regras em seu blog. - Escritas

3. Contar 6 coisas aleatórias sobre você.
- Sou batuqueira de carteirinha. Descobri ano passado a música como terapia e faço oficina de percussão no Monobloco.
- Sou impulsiva, intensa, volúvel e quero fazer tudo ao mesmo tempo agora. - Prezo pela qualidade de vida. - Não tampo pasta de dente nem por um decreto. Pode reclamar, brigar, espernear, me dar bronca diariamente, simplesmente não fecho, é mais forte que eu. Péssimo hábito. - Já morei em Paris e em Londres em épocas bem diferentes, e amei. - Sou viciada em música. Desde o jazz ao rock pesado.

4. Indicar mais 6 pessoas e colocar os links no final do post.
Olha, não vou indicar 6 não! Vou indicar 3 duas vezes, vale?? Indico os que já estavam linkados no meu blog. GAROTA PENDURADA http://garotapendurada.blogspot.com/ TRINTA E POUCOS ANOS http://algunstrintaanos.blogspot.com/ CAFÉ COM NOTÍCIAS http://cafecomnoticias.blogspot.com/

5. Deixar a pessoa saber que você a indicou, deixando um comentário para ela.
6. Deixar os indicados saberem quando você publicar seu post.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

- MITOS OU VERDADES?



Toda mulher loira é burra?
Não, não é. Mas acho sim, que de alguma forma os fios loiros afetam o cérebro. Burras não. Acho que não tem nada a ver com inteligência. Arriscaria dizer que talvez sejam mais lentas. Hahaha. Eu mesma tenho umas mechinhas que às vezes confundem meus pensamentos. Ainda bem que são bem poucas. Eu sou morena!

Todo japonês tem pinto pequeno.
Não sei, nunca vi. Será? Tem cara. Ó, mas eu nunca na vida vi japonês atuando em filme pornô.

Toda mulher é barbeira.

Ahhh isso não é verdade. O que acontece é que as mulheres conseguem fazer várias coisas ao mesmo tempo. Mulher polvo: tudo ao mesmo tempo agora! Então enquanto dirigimos, olhamos o gatinho do lado, nos maquiamos, falamos no celular, bebemos água, arrumamos a bolsa, damos uma conferida no modelito exposto no outdoor... daí às vezes a atenção no trânsito escapa por um breve momento. Não é barbeiragem! Homens são diferentes! Eles só conseguem fazer uma coisa de cada vez. Apenas um foco! Tadinhos. E ainda assim, com total atenção voltada apenas para o volante, o que tem de homem barbeiro por aí não está no gibi.

Mulher que tem o segundo dedo do pé maior que o dedão manda no homem.
Verdade!!! Manda mesmo. Todas que vi que tem o segundo dedo à la E.T., mandam! E como mandam!

Coçar a mão é sinal de dinheiro.
Mentira! É picada de mosquito, falta de banho, alergia... Tudo, mas dinheiro não!

Com mulher de bigode nem o diabo pode.

Nem o diabo nem ninguém, né?!. Vai correndo pra depilação, filha! Ou pro circo! Ninguém merece.

Pisar em cocô na rua é sinal de sorte. E caca de pombo na cabeça também.
Hã? Sorte de quem? Sorte tem o infeliz do dono do cachorro que não esta por perto quando isto acontece, porque se tivesse, ahhh ele ia ouvir!! Mal educado. Ou sorte do pombo que voa, né.. senão pegava o degraçado, pra ele ver o que é bom cagar na cabeça alheia.

Vassoura atrás da porta espanta visitas.
Já coloquei. E a pessoa continuou na minha casa por hooooras. Não funcionou.

Colocar a bolsa no chão faz o dinheiro acabar.
Mentira. Só se o dinheiro for gasto pra comprar uma bolsa nova, porque eu não coloco minhas bolsas caríssimas no chão de jeito nenhum. Tá doido?

A pessoa que é pulada não cresce mais.
Putz, devo então ter sido pulada inúmeras vezes, pois sou baixinha até. Os anões, coitados, devem ter nascido embaixo de uma cama elástica.

Chinelo ou sapato com a sola virada para cima dão má sorte.
Ahh balela. Isso foi inventado pela mãe de um filho bagunceiro, ou esposa de um marido relaxado, para eles guardarem os calçados nos devidos lugares!

Quem come muito à noite tem pesadelos.

Verdade. Além de pesadelos, indigestão e azia.

Recusar coisas para grávidas dá terçol.
Dá nada. Isso é praga delas, mas não pega não. Pode dizer NÃO à la vonté. Elas que ficam usando este artifício pra conseguirem tudo que querem. Grávida não é doente não, gente. Isso é chantagem emocional.

Apontar estrela com o dedo faz nascer verruga.
Aponto. Aponto mesmo, sempre apontei. Nunca tive. Se fosse verdade, os astrônomos estavam lascados.

Se sua orelha esquentar de repente, é porque alguém está falando mal de você.
Nunca reparei minha orelha quente. E olha que tem gente pra chuchu que fala mal de mim! Haha. Ainda dizem que nesses casos, tem que ir dizendo o nome dos suspeitos até a orelha parar de arder. Assim você descobre o fofoqueiro maldito. Haha. Será? Se alguém tentar e der certo, me conte.

Ahhh quanta bobagem. Eu, cética de todo que sou, questiono toda e qualquer crendice popular que me falem. Tudo bem, até lanço mão de um ou outro bordão por simples força do hábito. A gente ouve aqui, quando vê está repetindo ali: cuidado com o gato preto! Não abra o guarda chuva dentro de casa! Quebrou um espelho, ihhh sete anos de azar, não passe embaixo da escada; Olha, não pode comer manga com leite... que meda.

O pior é que existem pessoas que acreditam piamente em tudo. Ok, vá lá. Boa sorte. Eu admito que acho, no mínimo, interessante. Diria até pitoresco. Faz parte da nossa cultura e passa de geração para geração. Entre verdades e mentiras, peneiro o que realmente acho válido. O resto, bom, o resto tira ao menos um sorriso do meu rosto. Não me deixo levar. Besteira. Nem que eu acordasse numa sexta-feira treze, chuvosa, com terçol, verruga, orelha escaldante, bolsa no chão, e um gato preto ao meu lado. Não me importaria. Que mané gato preto o quê, sou mais eu! - Dá licença, gato, sai do meu caminho que eu quero passar! E sairia feliiiiz, linda, loira e japonesa, provavelmente fazendo mil barbeiragens pelo trânsito afora.

Sem me levar muito a sério: Loirinhas, homens, barbeiros e barbeiras, grávidas, japas, verruguentos e gatinhos pretos, tudo é uma grande brincadeira!!

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

- FELIZ DIA 29 DE DEZEMBRO!


Mais um ano chega ao fim, e logo começam as retrospectivas, balanços e reflexões sobre os dias que se foram. Na cabeça novas metas, novas esperanças, um novo começo.

Me pergunto eu: o que de mágico acontece na noite de 31 para o dia primeiro? Acordarei mais magra? Mais rica? Mais feliz?

Passo o Natal alegre e contente e logo vem a tal contagem regressiva para o Ano Novo. Confesso que esse lance de Reveillon não me agrada muito.

Primeiro surge a preocupação onde comemorar, com quem, festa, ou viagem... tá. Decidido, é necessário comprar uma roupa branca, ahhhh, e calcinha rosa ou amarela, pois é de suma importância roupa íntima nova!! As recomendações: Olha, começa com o pé direito. E mais: tem que dar três pulinhos à meia-noite, comer doze uvas, lentilhas, colocar caroços de romã na carteira, folhinha de arruda atrás da orelha, tomar três goles de champagne e jogar o resto por trás do ombro direito, pular sete ondas,... Pera lá, pára tudo! Isso é uma comemoração ou uma gincana? Dá pra estender a lista pra próxima semana?. É pra curtir a festa ou pra pagar os pecados? Além de todos os rituais dos mais esdrúxulos, temos o compromisso de passar a meia-noite muuuuito felizes. Como não? Tem sim senhor, senão seu ano inteirinho será ruim. Hã?

As expectativas para o Ano Novo são as melhores. Ouço de tudo, entre metas que as pessoas juram que vão conquistar, ou promessas que juram que vão cumprir. São as famosas listinhas. Ano que vem vou fazer uma dieta rigorosa. Vou parar de fumar. Vou entrar na academia. Vou comprar um carro novo. Vou ser mais paciente. Vou me esforçar mais. Vou conseguir uma promoção. Vou ser mais econômico. Vou casar. Vou conhecer o amor da minha vida. Vou comprar minha casa. Vou viajar. Vou conquistar Dudinka!!! (quem já jogou War?).

Ninguém quer pouco não. Agora me diz... Por que esperar o ano que vem? Por que não correr atrás de seus sonhos desde HOJE? Agora!!! As pessoas que querem parar de fumar acham que a partir do dia primeiro surgirá um desejo incontrolável de largar o cigarro? Que vão ter nojinho? Ou que uma nova promoção virá por causa do carocinho de romã que guardou na carteira? Como assim???

Isso tudo soa para mim como a velha história de começar a dieta segunda-feira. Avaliar minha vida e saber o que faço ou tenho de bom ou ruim? Mudar? Melhorar? Ser mais feliz hoje? Ah não. Não tem horário livre na agenda pra esses dias, vamos marcar pro ano que vem? Dia 31 de dezembro eu juro que começo. Meia-noite em ponto!

sábado, 20 de dezembro de 2008

- SELOS

Sou meio novata nesse lance de divulgar meu blog, pois confesso que escrevo por puro prazer pessoal, A-DO-RO, e só bem recentemente resolvi passar a frente meu endereço e buscar visitas. Ando meio sem tempinho de escrever essa ultima semana, e não quero postar qualquer bobagem. Ou melhor, qualquer bobagem desinteressante... hehe.


Mas há alguns dias recebi dois selos, e vim aqui mostrá-los e agradecer. Nem sei bem como funciona, tem que indicar outros? Ai. Farei em breve...


Aqui vão:

Recebi o selo do Dário Souza, do blog Casablanca - Só o que importa (http://o-casablanca.blogspot.com/). Um blog sobre cinema, que eu volta e meia vou lá dar meus pitaquinhos, sejam sobre filmes maneiros ou horríveis... hehe, mas eu sempre tô de olho, já que tenho tido pouco tempo de ir ao cinema. Dário disse que meu blog é eclético e tem textos inteligentes. Uiaaa.






E esse recebi da Jessys King do blog: Somente idéias !!!!! Compartilhe seus pensamentos aqui.(http://jessykings.blogspot.com/), que é uma fofa, e vejo que sempre acompanha todas minhas divagações loucas por aqui.

Queridos, agradeço aos dois. Vocês me dão mais incentivo para escrever.

Beijos

sábado, 13 de dezembro de 2008

- ESPÍRITO NATALINO V


...vírgula, Espírito Natalino de blogueiro, né não?!! Hihihi

* Tradução: Eu costumava receber cartas... Agora só o que recebo são emails dizendo: Querido Papai Noel, veja meu BLOG!

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

- CONTOS DE FADAS ÀS AVESSAS


BEM VINDOS ÀS PARANÓIAS DO MUNDO MODERNO

Dizem que as mulheres são difíceis, complexas, emotivas demais e tal. Não nego, é verdade, mas vem cá... O que é a síndrome de Peter Pan que assola tantos homens? Arg. Odeio!

Que mulher amadurece antes, todo mundo sabe, legal, mas como explicar homens barbados de 40 anos achando que são garotões? Hump. Rasgos de irresponsabilidade, narcisismo, dependência, negação ao envelhecimento são alguns dos sintomas da síndrome de Peter Pan, termo psiquiátrico usado para descrever um adulto que receia os comprometimentos e/ou se recusa a agir conforme a sua idade. E está cheio por aí, né não?

Se ainda não moram com os pais depois dos 30 ainda (o que é muito comum), com certeza têm uma relação mais do que estreita com a mãe. Em pesquisas, descobri que grande parcela da culpa está no modo como foram criados. Mães que superprotegem, mimam, enchem de cuidados a ponto de evitar preocupações e problemas, sem dúvida estão criando futuras vítimas da síndrome. Ora vejam só!

Pior que isso, só o complexo de Cinderela, que infelizmente ainda atormenta muitas mulheres. Em geral também moram com os pais até bem tarde, e esperam príncipes encantados para regatá-las sei lá de quê. O objetivo é que um homem perfeito apareça para casar e ser feliz para sempre. Mas não para por aí, as mulheres que sofrem da “doença” além de acharem que existe um príncipe em um cavalo branco, elas esperam que ele apareça e resolva todos seus problemas, que cuide, proteja, e por fim negam suas próprias habilidades. Em geral negligenciam ou nem dão muita importância a vida profissional. É o medo oculto da independência. Péssimo também.

Dizem que hoje o índice de mulheres que sofrem Síndrome de Peter Pan está crescendo. Acredito. Mas ainda está looooonge de chegar perto do número de homens na Terra do Nunca.

Acho que nenhum deles se dá conta da problemática toda. Será que homens que relutam em namorar sério ou fogem de casamento, às vezes até já carecas e grisalhos, enxergam que isso vai muito além da almejada liberdade? E as mulheres que ficam a caça de um homem pra casar, pra tirá-las de casa, será que não vêem que isso é anormal, e que elas têm suas próprias pernas para correrem atrás do que querem da vida? Daí chego a seguinte conclusão: Divã para eles!

Mulheres a espera de algo externo para mudarem suas vidas? Os homens que esperam que NADA externo mude suas vidas?

Ô povo complicado!

Por isso que nunca dei muita importância a contos de fadas nem histórias infantis. Eu hein, tô fora de mané Peter Pan ou Cinderela. No máximo iria para o país das Maravilhas da Alice, onde o povo é muito doido e deve rolar umas festas pra lá de psicodélicas. Ou então iria fazer um lanchinho com a Chapeuzinho Vermelho na casa da vovó, torcendo para que o lobo mau aparecesse. Hehehe.

* Foto: Neverland (Terra do Nunca) versão Michael Jackson. Ui, que meda.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

- PORNÔ SIM, PORQUE NÃO?

Outro dia ouvi de uma mulher de trinta e poucos anos que ela nunca tinha assistido um filme pornô. Como assim?? Tudo bem, dizer que não gosta, mas nunca ter visto? Eu confesso que a-do-ro. Tanto que até fiz assinatura em casa. Mas gosto é que nem bunda, né? Cada um tem o seu.

É engraçada essa discrepância entre homens e mulheres. Du-vi-do que exista algum homem de 30 anos que nunca tenha visto. Mais fácil achar piolho em careca. Homem é mais visual, mulher mais auditiva. Tudo bem, tudo bem. É verdade. Talvez seja por isso que revista de homem pelado não funciona com a gente, só com os gays. Mas vai dizer que um bom pornô não excita?

Já ouvi opiniões femininas totalmente inapropriadas ao tema. Em conversa com uma amiga uma vez, ouvi o seguinte comentário. “Não gosto de pornô. Os filmes não têm roteiro nenhum, não tem história.” Hã??? Como assim??? Se for pra assistir filme com roteiro bom, certamente não vou procurar um filme com atores de 5ª categoria, pelados, e preocupados em manter a ereção. Peloamordedeus. E eu lá quero saber de história em filme pornô? Quero mais é ação.

Daí uma vez em casa, com amigas, uma comentou.”Ah, a Dani tem assinatura de pornô.” “Tem? Eu nunca vi direito, deixa eu ver??...” Nesta ocasião éramos umas cinco amigas. Todas se arrumando pra night. Uma saiu de fininho pra sala, constrangida. Outra ficou no quarto, mas arrumava desculpas pra se movimentar pra lá e pra cá procurando escova de cabelo, maquiagem, tudo para tirar os olhos da TV e para não se mostrar desconfortável com situação. As outras duas comentavam... “ih, que calcinha feia.” , “Ah não, olha a cara dele!”, “ Ih tem mais? Hahaha.” E os comentários mais esdrúxulos e engraçados surgiam um após o outro. Eu fiquei na minha. Já estou mais que acostumada a assistir. Bora sair? Acabou a festa! Assistir pornô com amigas era a última coisa que eu queria na vida.

Aí outra vez uma amiga teve que dormir aqui em casa, nem me lembro porque. E quando deitamos, ela vira e me fala: “Posso colocar um pouquinho no pornô? Poxa, não tenho oportunidade de assistir quase nunca...“ Importante ressaltar aos maldosos, que não é lésbica não, muito pelo contrário: saidinha e gosta muuuuito de homem. Ela só queria espiar mesmo. Saco. Falei irritada. - Ahhh não, pô. Sem noção!! Vamos ver qualquer outra coisa. “Ah, Dani, deixa, só um pouco.” Saaaaaco. - Tá bom, pode ver. Virei pro lado e fechei os olhos. Fui dormir. Filme pornô só muito bem acompanhada, e por MACHO, claro... ou sozinha.

Em geral o pornô faz sucesso em casa. E a tal a assinatura, como vocês viram, rendeu foi papo. Mas sempre existem as exceções. Uma vez rolando rock’n’roll fui lá e CLIC, liguei a TV. Fafadinha. O cara virou disse que não gostava. Como assim??? Disse que não tem graça, que ao vivo era muito melhor. Sim. Mas a gente estava ao vivo e ainda com recursos visuais, tem melhor? Nem virou pra TV, se fez de rogado. Tá bem. Nessas horas vou discutir? Nada. Depois descobri o motivo... pirulitinho. Hehe. Acho que o filme o intimidava. Só pode. Porque foi o único ser masculino da terra que ouvi dizer que não curte. Enfim...mas não estou aqui pra falar da minha vida sexual!

Soube de outros casos que a tal assinatura pornô também repercutiu comicamente. Uma amiga uma vez teve problema com a TV a cabo. Qual canal não estava funcionando? O tal. Contatada a empresa, uma visita se fez necessária. Depois de consertada, os técnicos a chamaram para conferir se estava tudo ok. Maior sexo rolando na TV e ela, com uma cara super séria, falando com o técnicos: ok, está tudo ótimo. Dispensou rapidinho. “Que vergonha!” Hahaha. Vergonha mesmo. Ainda bem que nunca tive que passar por isso.

Quem tem pornô em casa, às vezes se pega que nem Big Brother. Assistindo sem querer. A TV fica lá, ligadona. E ao zapear, sem sentir, volta e meia damos uma paradinha no canal. Só pra espiar. Costume. Só quem tem sabe o que eu tô falando.

Para os que não têm, sempre existe a opção dos pornôs chiques que rolam na madruga. Claro que não é a mesma coisa. São casais simulando, muito ligh, um sexozinho básico, mostrando, no máximo, um peitinho. Mas dá pro gasto. É o que você consegue de graça.

Os homens ainda podem clicar no Multishow depois da meia noite pra ver aquelas mulheres de lingerie ou peladas, se esfregando em danças ridículas. Parece que isso os excita. Arg.

E sempre teremos a Internet, que é um prato cheio: Redtube, Pornotube, pornoseiladasquantas.com. Sites para todos os gostos. Como assim 30 anos e nunca ter visto? Tô passada! Mulheres, por favor, um passo a frente!

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

domingo, 7 de dezembro de 2008

A CUCA FOI PASSEAR E ELVIS NÃO MORREU



Hoje à tarde deitei na rede da minha varanda, meio sonolenta, sem fazer nada, só ali balançando, quando de repente, crianças no prédio vizinho me chamaram atenção: CRÉÉÉÉÉU, CRÉÉÉÉÉU, CRÉÉÉÉÚ, cantavam. Deviam ter entre sete e dez anos. Como assim? Isso lá é música pra criança cantar? Além de passada (porque já deu o que tinha que dar, né?), é uma indecência... E a dancinha então?? Creeeeeeedo.

Não sou pudica, nem conservadora, e longe de ser puritana, mas ninguém merece. Nesta idade eu ouvia Blitz, e cantava letras inocentes como Ridícula ha ha yeah, ou você não soube me amar! Ou pelo menos dançava ao som de músicas com um groove melhorzinho como Billie Jean do Michael Jackson. Entendo que quando novinhos não temos muito discernimento, e o gosto varia de acordo com o que se ouve em casa, na escola ou entre amigos. E imagino que seja difícil “blindar” os filhos contra a imensa quantidade de lixo e gêneros musicais paupérrimos que se ouvem por aí. Mas confesso que ver um bando de meninos felizes cantando créu me deixa super hiper desolada.

Sou bem informada musicalmente, busco sempre novidades. Gosto de jazz, salsa, blues, eletrônico, rock/ pop, até rock pesado, e quando tiver filhos, espero que eles corram de funks apelativos, axés, pagodes e sertanejos assim como eu. Mas vai saber...

E então quando já estou achando que o mundo chegou ao fim, e as novas gerações estão perdidas, descubro uma luz no fim do túnel! No jornal acabo de ler que foi lançada uma coleção de músicas pop/rock para bebês. Agora as crianças podem ser embaladas a um som light de Rolling Stones, Beatles, Pink Floyd, Elvis Presley e Madonna. AMEI!

Ao invés de submeter a criança ao terrível canto do boi da cara preta, ou ameaçar que a Cuca vem pegar, pais e filhos podem curtir juntos uma versão naninha de Wish you were here, Angie ou Love me tender. Isso mesmo. Podemos doutrinar o ouvido do bebê desde o berço, olha que maravilha.

Os cds são baratinhos, custam entre 10 e 15 reais, e parte do dinheiro obtido com as vendas será destinada ao INCA, mais especificamente à área infantil. As capas são fofas, pois foram desenhadas especialmente por crianças da instituição.

Agora só resta esperar que o projeto seja um sucesso e que apareçam outras edições, quem sabe com músicas do AC/DC, Lenny Kravitz, Metallica, Jamiroquai, ou Jack Johnson... hehe.


Coleção Para bebês, gravadora Coqueiro Verde

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

- ANGÉLICA EM NEW YORK


Passar umas feriazinhas em NY nunca é demais. Seja para passear, para comprar, ou apenas para curtir a cidade onde tudo acontece. E acontece meeesmo. Me sinto no centro do mundo, em uma verdadeira e imensa babilônia cosmopolita.

Alguns me disseram antes de eu vir: “ Vai logo agora? Vai pegar maiooor frio.” Frio em NY, qual o problema? Humpt. Um ótimo motivo para tirar os casacões, cachecóis e todos os lindos acessórios de inverno do armário e levá-los para dar uma voltinha pela 5a avenida. Tá, meu bem?!

Entao cá estou eu, alienada da crise econômica que assola o mundo, imersa em compras, shows, jantares e passeios a pé no meio da noite, sem mesmo ligar para o termômetros que marcam menos cinco graus. Feliz da vida.

Nao nego minha paixão pela cidade, amoooooo, mas confesso que meu amor não é cego. Vejo a cidade insuportavelmente apinhada de gente, num frenético empurra empurra no meio da rua: Sorry, sorry, Uh, sorry. Simpatia limitada e regras levadas à risca, mesmo que sejam absurdas ou injustas. Stay behind the green line... Ha? Comigo? Sim, eu esperando solita uma cabine para experimentar uma roupa, num corredor enorme, a um passinho na frente, sem ninguém atrás de mim. Ok, vou aguardar atrás da linha verde, a 20 centímentros de distância conforme solicitado. Oh, que diferenca. Mc Donalds com aspecto sombrio e sem-tetos dormindo tranquilos sentados à mesa, ou lendo jornais velhos, sem serem ao menos percebidos pelos funcionários. Camelôs e camelôs enfileirados na Broadway vendendo bolsas fakes para turistas tabajaras. E zilhões de taxis e buzinas num trânsito caótico. Ainda assim, amooo NY.

Em meio ao glamour, às artes, e as compras na 5a avenida, ao invés de me sentir Carrie em Sex and the City, acabei me tornando Angélica em seus piores tempos, bem antes de Huck, Joaquim e Benício. E vida de Angélica não é fácil. Quando a perna cansa das longas distâncias, ou o frio aperta, nao há outra alternativa a não ser os famosos amarelinhos. Vou de táxi, você sabe...

Mas o que deveria ser uma solução, acaba se tornando uma tortura por aqui. Ou melhor, uma saga. Primeiro conseguir pegar um táxi livre na rua é quase uma loteria. Dificil mesmo. Aliiii, Sinal com a mão. Cheio. Aliii, sinal com a mão, tem gente. Ai. Dia de chuva esquece, e coloque as pernas para trabalhar. Enfim, depois que finalmente um infeliz aparece livre, comeca a tal triagem. O motorista precisa saber saber se a direção que queremos ir interessa ou não. Pensa que é facil? Nada, o quão longe voce quer ir? Daqui a onze quadras apenas!! Ah, tá. Ainda temos que tocer para ele querer nos levar. Se eu tivesse no Rio e estivesse na zona sul, nunca que conseguiria alguém pra me levar na Barra. Dureza.

Ahhh, e voce acha que acabou? Não respire aliviado ainda. Depois de conseguir finalmente sentar, ligue a tecla SAP, porque entender o que eles falam é pior do que vestibular . Em rápida pesquisa descobri os motoristas dos cerca de 12 mil táxis que rodam a cidade, advém de 85 países diferentes. Agora você imagina a diversidade de sotaques... Hã?? Sorry. Hã??

Pronto, direção informada, feliz a caminho do destino. Vale conferir a rota atraves do GPS, dar olhadinha no canal NY taxi TV, ou pegar dicas na tevezinha... "Chegamos!" - Onde?? é ali na frente. "Não, eu vou virar aqui, pode descer." Como assim???? Até na rua de trás ja fui largada cheia de sacolas em dia de chuva. Pois é, eles te largam peeeerto do endereco que você deu. Onde convém. E não há santo que os faça ir ate a próxima quadra pra te deixar na portinha do hotel. Aqui tá bom, decide ele. Ok, nem discuto mais. Antigamente ainda me dava o trabalho de chamar um ou outro de preguiçoso, que fazia o servico pela metade e blábláblá. Mas de nada adianta, é comportamento padrão. Vão te largar onde eles querem, quer você queira ou não. Como todas as cidades tem seus prós e contras, sinto falta dos meus queridos mal educados e babeiros taxistas do Rio. Ao menos eles me deixam na porta de casa.

Fora o meu embate diário com os taxistas, já lamento ter que ir embora em breve. Assisti a parada da Macys, fiz meus devidos agredecimentos hoje, dia de Thanksgiving. Assisti a mais uma peça da Broadway, jantei fora e decidi... Amanhã vou sair a pé e curtir meu dia de Carrie, porque mais um dia de Angélica, ninguém merece!
PS. Morta de sono, depois de longo dia, e ainda consigo tempo e disposição para escrever aqui. Tava devendo uma postagem, né?

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

- WOMEN RULES


Conflitos entre homens e mulheres vêm desde Adão e Eva. Dizem que Eva persuadiu Adão a roubar o fruto proibido, e então os dois foram expulsos do paraíso. Culpa de quem? Boa pergunta. Homens e mulheres se complementam desde a criação, assim como também se desentendem desde sempre. Mas depois de tantos anos já não era sem tempo de haver uma harmonia?

Nada. Por incrível que pareça, até hoje um não sabe ao certo o que o outro não gosta. Talvez a graça da relação esteja aí. Do lado feminino, defendo: tudo bem que a maioria das mulheres nem sabe ao certo o que quer, mas certamente todas sabem o que NÃO querem.

Andei conversando com umas amigas, junto com experiência pessoal, cito aqui alguns exemplos de fatos que os homens já deveriam estar carecas de saber, e até hoje não aprenderam...

Cuecas: por favor... brancas ou pretas, no máximo rola uma cinza.

Atraso: fale o quanto esta atrasado. Não diga que já está chegando. Arg, mania horrível de homem... será que vocês ainda não captaram que um simples telefonema de satisfação do porque do atraso já ameniza em 90% nossa irritação?

O dia do chopp ou futebol com amigos é sagrado, ok. Respeitamos, mas saibam: claro que não gostamos! E um dia isso virá à tona.

Tá perdido? Pára, pede informação na rua. Não dói, e nós odiamos ficar rodando com o carro até o bonitão se achar. Saber o caminho não torna o homem mais másculo ou sei lá o que passa na cabeça deles nesta resistência absurda em pedir ajuda.

Se vai levar para sair, seja decidido. Pensei em tal lugar, vamos?? Não fique perguntando, aonde nós queremos ir. Mulher ooooodeia isso. Se não gostarmos da sua sugestão, não se preocupe que daremos um jeito de mudar. Mas não jogue a bola na nossa mão. O que você quer fazer? O que você quiser.... ain, péssimo! Gostamos de homens de atitude!

A falta de elogio é outra coisa que acaba com a gente. Se comentarmos que vamos ao salão, ao nos encontrar, elogie. Você pode nem saber o que fomos fazer lá, então chute: você tá boniiita. Serve.

Falar de maquiagem e compras é tão natural para nós, como para vocês é falar sobre futebol. Então não revire os olhos e fale que somos muito consumistas... vocês não assistem o jogo em paz? Então nos deixem falar sobre a nova blusinha ou sobre o creme anti sei la o que em paz também.


Quando reclamamos de algo do trabalho, ou de alguém, não falamos para ouvir soluções ou opiniões de como devemos agir. Que péssima mania que homem tem de querer consertar tudo. Não queremos que resolva nada, é obvio que já sabemos o que vamos fazer. Só queremos falar. É difícil?


E é claro que não suportamos quando vocês viram para olhar uma mulher gostosa passando. Ora, precisa mesmo? Grrr. E quando a mulher passa, tenha certeza que estamos de olho na sua reação. Não olha, não olha!!


Dentre tantas outras coisinhas, no fundo eu acredito que os homens têm plena consciência do que nos irrita... Não é possível. Se bem que ao pesquisar, ouvi de uma amiga que ela adorava uma cueca de porquinho que o fulano tinha. Sério? “Sim, era samba-canção da Ralph Lauren...“ E aí? Pra mim e pra todas que perguntei, broxante. Pra ela não. E como pra toda regra há sua exceção, lá foi uma.

Ainda vou escrever um post sobre o que as mulheres fazem, e que os homens não gostam. Se homens são de Marte e mulheres de Vênus, nós dois sabemos que o ticket de ida e volta da espaçonave é mais barato. É o famoso toma lá, dá cá.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

- HEI, VOCÊ AÍ, ME DÁ UM DINHEIRO AÍ....


Quando saio de casa, a ida ao trabalho é um verdadeiro rally. Além do trânsito caótico que enfrento todos os dias, são ruas esburacadas, motoristas mal educados e barbeiros, pedestres atravessando no meio da rua, e os malditos sinais de trânsito que trazem um batalhão de gente batendo no meu vidro.

Aqui no Rio todos andam de vidros dos carros fechados. Ar-condicionado em carro não é luxo e sim condição sine qua non. Parte porque faz um calor infernal, e precisamos nos refrescar mesmo, mas em grande maioria os vidros ficam levantados por medo à violência e para evitar abordagens no meio da rua. Quando falo em abordagens, não são poucas não... são pedintes, vendedores de rua, artistas autônomos, prestadores de serviços (leia-se limpadores de vidros), deficientes ou doentes, “entidades”filantrópicas pedindo doações, entregadores de propagandas e em quantidade ínfima, os tais ladrões.

Eu tenho por política pessoal não dar esmolas. Não acho que vá efetivamente ajudar a pessoa, muito menos quando é criança. Já ouvi e vi essas tais crianças pegarem o dinheiro e irem direto consumir drogas, ou darem a alguém que os está pagando para prestar este serviço de criança-carente-pedinte-em-sinal.

Quando não é criança, pior ainda, ao invés de pedir, deveria estar procurando um emprego. Porque emprego todo mundo quer, mas trabalhar já são outros quinhentos. Soube que no sinal perto da minha casa os pedintes chegam a ganhar MIL reais por mês. Dado oferecido pelo dono da banca de jornal próxima, que troca diariamente o dinheiro para eles - pega os trocadinhos e troca por notas maiores. Vejam só. Profissão pedinte. E o salário mínimo é quatrocentos quinze reais.

Então em meio à milhares de abordagem no carro, eliminei os pedintes e artistas tabajaras com bolinhas de tênis, porque cá pra nós, qualquer um faz aquilo. E eu não sou pai de pançudo! Próximo!

A vez dos vendedores ambulantes. Primeiro aqueles que penduram as balinhas no nosso retrovisor com maior cavalice e pressa. Odeio. Não quero balinha, nem amendoim, nem nada. E então vêm os caras dos carregadores de celular. Num queeeero. Daí tem o moço do biscoito o Globo, da água, dos brinquedos de crianças, do jornal. Não, não. Próximo!

Ahhh e então aparecem os malditos limpadores de vidros. Como sou relapsa, e meu carro sempre está pra lavar, sou um prato cheio! Óbvio que eles vêm direto esguichando aquela água suja de esgoto com sabão vagabundo no meu vidro. Não quero, nããão, já foi. Ligo o pára-brisa, e ainda tenho que aturar o infeliz batendo no meu vidro querendo dinheiro por uma coisa que eu nem pedi e ainda por cima largou pela metade. Fala sério. Próximo!

Daí vêm aqueles caras vestidos de palhaço pedindo dinheiro sei lá pra onde, pra ajudar as criancinhas sei lá de que. Balela, né? Mas já comprei uma vez um nariz vermelho e um dentinho de plástico para não me perturbarem mais. E aí quando algum deles aparece, já mostro meu kit-palhaço comprado. Palhaça eu, né? Próximo!

A vez dos entregadores de panfletos. Lançamentos de apartamentos, Lavo seu tapete, promoções de supermercados... ain. Não querooo. Confesso que uma vez fiquei intrigada, pois tinham umas meninas entregando um panfletinho, e bem pularam meu carro. Como assim? Eu não quero, mas o que é hein? Haha. Depois descobri que eram propagandas de termas aqui na Barra, e só entregam para homens. Ah tá. Não quero mesmo. Próximo!

Já para deficientes físicos, eu me rendo. Às vezes não há alternativas para eles mesmo. Tem um moço que fica num sinal da Lagoa que não tem um braço de um lado e uma perna de outro. Esta sempre lá, pedindo, sorrindo e tal. Eu às vezes dou, outras não, pois passo ali todo santo dia, e se der sempre, melhor seria assinar logo carteira e dar um salário. E eu não tô podendo, pena. Próximo!

Opa, agora é a vez dos ladrões. Bom, estes nunca deram as caras, e por incrível que pareça nunca me abordaram em sinais. Ainda bem!

Descobri que no final das contas, o trânsito nem me estressa tanto assim. Vou ouvindo minha musica alta, cantando alegremente e seguindo meu rumo. Mais alegre seria se não tivessem pessoas de tempo em tempo invadindo a privacidade do meu veículo! Enfim.. infelizmente não tenho muito o que fazer. Só me resta dizer: E lá vamos nós... próximo!!

PS1. Quem não conhece este vídeo do Mundo Canibal: O dia em que a terra parou, por favor, não deixe de ver!! Muito engraçado e tudo a ver com o post!






Ps 2 de velhotinha, porém esclarecedor e necessário: Gostaria de deixar registrado que não sou contra ajudar os mais necessitados. Eu faço a minha contribuição para entidades carentes com regularidade. Mas acredito piamente que ao dar dinheiro na rua, a pessoa está sim prejudicando a sociedade. Contribua de forma consciente!

terça-feira, 4 de novembro de 2008

- PERDIDOS NO TEMPO


Às vezes penso no tempo que passo em frente ao computador. Estou perdendo tempo ou ganhando? Não sou viciada, mas confesso que várias coisas da minha vida dependem da web. A começar pelo trabalho, emails, reservas, contato com os funcionários, captação de clientes... essas coisas. Mas isso é necessidade, quero falar do lado fútil.

Eu consulto tudo na Internet. Tô com fome, vou pedir delivery: Internet. Onde fica mesmo a rua tal? Internet. Ih, será que está trânsito para tal lugar? Internet. Preciso falar com fulana, vou ligar, pera... deixa eu ver se ela ta on line. Internet. Preciso pagar minhas contas. Internet. Quem é o tal ator? Não lembro. Internet. Quanto tá o dólar? Internet. Noticias gerais e banais... Internet.

A Internet veio para agilizar nossa vida. Mas vocês já repararam quanto tempo perdemos ligados ao monitor? Antigamente tudo era mesmo demorado, pois o acesso era discado, e demorava uma vida para ir de uma página a outra. Baixar algum vídeo ou música então... ficava por horas, e ainda com o risco da linha cair bem no final.

Hoje todos têm a acesso rápido, computadores mais avançados e em um minuto rodamos o mundo na ponta dos dedos. Sobra mais tempo? Nada. Começamos checando emails, depois pesquisamos alguma coisa, daí a navegação passa pra outro assunto, uma coisa leva a outra... e quando vemos, já se passaram duas, três horas.

Outro dia entrei num site super bacana, chamado faceinhole.com, que você faz montagens de fotos com personagens de filmes, capas de revistas, desenhos e tal. Pronto. Fiquei sei lá rindo e me divertindo colocando minha cara no filme Conehead (aquele filme das pessoas de carecas de cabeça pontuda), foto dos meus amigos dançando lambada, voando como o E.T. e etc... tudo super útil. Quanto tempo perdi nessa historia? Hooooooooooooras. Como se eu não tivesse nada mais importante pra fazer! E tenho, MIL.

Navegar por notícias, youtube, blogs, e assuntos diversos também atraem minha atenção por muito mais tempo do que deveriam. Sem falar do MSN. Como tudo isso atrasa minha vida!! Atrasa no sentido literal. Estou sempre atrasada para meus compromissos.

Tenho amigos que passam o dia falando comigo na Internet. Imagino como seja a produtividade no trabalho. Vi numa pesquisa que o brasileiro gasta em média seis horas semanais navegando no trabalho em sites de interesse pessoal e não profissional. Em geral estão fazendo buscas inúteis ou batendo papo. Imagina o quanto não se perde, falando em termos de dinheiro?

Eu defendo que as empresas devam ter políticas de acesso durante as horas de trabalho e deixar a navegação livre em horários de almoço e pós-expediente. Convenhamos, é o certo, né?! Na teoria sim, mas na prática ninguém gosta e não é o que se vê. Quando há restrições, logo logo o funcionário arruma uma maneira de burlar o veto, e lá este ele, felizão, conversando no webmessenger, acessando emails, navegando pelas mais diferentes futilidades. Não condeno, força do hábito.

Eu tenho sorte de ser dona do meu próprio negócio. Tenho liberdade de horários, não devo satisfações a ninguém e não preciso navegar escondida. Mas será mesmo uma vantagem? No final das contas, eu também deveria estar sendo mais produtiva, e o boicote é ainda pior, pois o próprio patrão está ciente. Eu mesma!

Meus pais são de outra geração e quase não usam Internet. Acham tudo demorado, tem que sentar, ligar o computador, aí ver sei lá o que...iiiih, demora muito. Como assim? É um segundinho! Sim, mas nós, usuários, não nos damos conta que esse segundo num piscar de olhos passa a horas. Começo a achar que meus pais estão certos. Como a Internet é demorada!
PS. Vc tá lendo este post de casa ou do trabalho, hein?! Rsrsrs
PS2. Óbvio que já tô atrasada, pq tô aqui escrevendo no blog!!

domingo, 2 de novembro de 2008

- REUNIÃO DE CALCINHAS

Quando comecei o blog, confesso que foi mais para suprir uma carência pessoal. Uma vontade de extravasar meu lado criativo, afinal, sou jornalista e sempre amei escrever. Daí comecei a gostar da brincadeira, e comentei com uma ou outra pessoa. E aumentou a vontade que o mundo leia minhas opiniões. É tão bacana!!

Então, como já falei aqui, várias amigas começaram a ler com assiduidade, e demonstraram o desejo de também escrever, mas com inúmeras desculpas: não dá por isso, por aquilo... E a cada post um novo comentário, ah, Dani, queria escrever também... gosto tanto!

Como eu tenho pânico de olhinho (hahaha), criei um novo blog para dividir com minhas amigas: REUNIAO DE CALCINHAS! Uma sala de estar virtual, onde debatemos assuntos dos mais diversos.

Sei que inveja é branca e boa, não faz mal... mas uma vez quebrou minha pulseira. “Que pulseira liiiiiiiiiinda.” Eu juro, meia hora depois pluft, a pulseira quebrou. Hahaha. Toda vez que essa minha amiga elogia alguma coisa, eu já penso comigo: Ui. Que meda!

Como é melhor evitar do que remediar, nasce um novo blog! E tirem o olhinhuuu do meu, meninas. Ops, tirem não, podem continuar vindo, visitando, lendo, comentando. Vou adorar!

PS. Como de ontem pra hj já estou com novo post - este de divulgação das calçolas, quem não leu o post anterior, pls, leia. Preciso de apoio em minha indignação... hehe. Bjus

VISITEM: http://reuniaodecalcinhas.blogspot.com/

sábado, 1 de novembro de 2008

- ESPÉCIE EM EXTINÇÃO


Outro dia navegando passei por um blog tosco, onde o cara dava dicas de como conquistar e tratar uma mulher. Não era de humor não, era sério mesmo. Don Juan está dando conselhos sentimentais e não sabíamos. Será que montou um consultório?

Dentre vários temas absurdos, o post que li, dizia que homem NÃO deve pagar a conta. De jeito nenhum! Deve sim, dividir desde o primeiro encontro, e de preferência, se tiver uma oportunidade, pedir para a mulher lhe pagar uma bebida. Como assim???

Sou daquelas que acha que homem, sim, tem que pagar a conta. Pelo menos nos primeiros encontros. Não precisa levar num restaurante chique, se não tem condições. Acho que deve levar num lugar condizente com o bolso e fazer a gentileza de pagar. É uma gen-ti-le-za, e aceitar não é abuso. Depois de um tempo, dependendo das condições, não há nada demais em dividir. É necessário avaliar as circunstâncias. Às vezes a mulher ganha mais que o cara, ou então ganha a mesma coisa, e realmente seria até feio ficar aceitando que pague sempre. Mas somente o tempo e a intimidade criam a abertura para haver este tal consenso. Neste ínterim... Não tem jeito, tem que abrir a carteira mesmo.

Segundo o fulano do blog, ainda, se o cara leva a mulher nos primeiros encontros em lugares caros, vai se lascar quando contar a verdade e dizer que não pode ficar bancando. Meudeus, que pessoa é essa? Além de canguinha e mal educado também é mentiroso? Onde está implícito que os primeiros encontros devem ser em lugares caríssimos e a pessoa deve mostrar um padrão além da própria realidade?

Pára tudo. Tudo errado. Tenho pena dos homens que lêem o blog desse infeliz. Pior se ainda acham que vão se dar bem. Eu li, e revoltada, quase deixei um comentário malcriado. Mas não vale a pena. Do jeito que parece ser, iria querer sair no braço. De igual pra igual.

É claro que a mulher lutou para conquistar seus direitos, mas delicadeza, polidez e respeito não têm época e não tem nada a ver com igualdade. Quem não gosta de ser bem tratada? Mulher é sexo frágil sim. É mais sensível, em geral mais emotiva e tem menos força física. Normal. E é obvio que a mulher pode fazer tudo que o homem faz. Inclusive pagar a conta, mas e onde fica o cavalheirismo? Morreu junto com os direitos de igualdade?

Aparentemente para o tal blogueiro, sim.

Olha, eu me viro muito bem sozinha. Sou independente, bem resolvida, troco a lâmpada se precisar, uso a furadeira, conserto coisas, carrego minhas sacolas pesadas, discuto pelos meus direitos, falo grosso quando necessário, mas ainda sim sou mulher, feminina e adoooooro quando um homem está por perto, e pode fazer essas coisas por mim.

Tem coisa melhor do que um homem dar o braço e apoio, quando estamos com o salto muito alto? Ou quando abrem a porta ou puxam a cadeira? Ou quando cedem o casaco, porque está frio? Ou quando pagam a nossa conta? Não, não tem. Qualquer mulher se encanta com um cavalheiro. Isso se chama educação, e não sexismo nem nada parecido.

Em situações diversas, eu também faço a minha parte. Cedo meu lugar para idosos, pago a conta quando convido alguém para almoçar, apanho algo na rua, se alguém deixa cair. São regras de cordialidade, de boas maneiras.

Sei que é difícil acompanhar a evolução da mulher na sociedade. Queremos igualdade, mas não em tudo. Somos fortes e independentes, mas ao mesmo tempo somos frágeis e queremos um “protetor”. Queremos um homem gentil, porém firme; sensível e ao mesmo tempo másculo, que nos ouça, mas que também fale; que não seja machista a ponto de não querer dividir a conta, mas também não seja pão-duro e pague a conta inteira mesmo assim. Somos complicadas, eu sei. E não sou expert no assunto. Mas um gentleman sempre será unanimidade.

Quando vejo blogs como o do tal Don Juan, me decepciono com os homens que estão por vir. Será que já não se fazem mais homens como antigamente?

Ps. Claro que, assim como existem os mal educados, existem as aproveitadoras. Não há cavalheirismo que resista a uma mulher abusada. Mas neste caso, ao invés de deixar a cordialidade de lado, deixe a mulher. Ela sim, provavelmente não vale nem uma conta rachada.
Ps2. Sei que rolou uma curiosidade sobre o blog do Don Juan de araque, mas eu realmente nem sei mais o endereço. Minha indignação não me deixou ter o trabalho de guardar.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

- A PRIMEIRA IMPRESSAO É A QUE FICA?


Sou muito intuitiva e tem gente que não gosto de cara. Em geral, com o tempo, vejo que raramente me engano. Não é certo julgar as pessoas pela aparência, mas vai dizer que não funciona assim? E quem não concebe pré-julgamentos ao primeiro olhar, que atire a primeira pedra!

Primeiro reparamos o look em geral. Depois a roupa, o jeito de falar, de se comportar e tal. Têm pessoas que vão mais a fundo: dizem que o sapato revela muito sobre a personalidade, o estilo, o gosto, a classe social. Bom, é verdade que muitas coisas podemos perceber com um olhar mais atento.

Em geral quem usa muito tênis, busca conforto, tênis All star, para quem é descolado, e que finge não estar ligando para moda, sapato de bico fino, provavelmente uma mulher executiva ou mais fresca, rasteirinhas para as práticas e vagando por outras categorias ainda têm os sapatos sujos, para quem não é cuidadoso, sapatos de baixa qualidade, provavelmente para quem não tem muito dinheiro, sapatos impecáveis, para quem tem um quê de perfeccionismo e sapatos medonhos para quem com certeza tem mau gosto. E algumas vezes o sapato é até bom e bonito, mas nem um pouco condizente com o local e ocasião, então podemos arriscar que a pessoa não tem um bom discernimento. E por aí vai.

Pensando bem um olhar clínico descobre vários poréns. Não que seja a impressão certa, mas grande parte da personalidade pode realmente ser descoberta através dos pés.

Mas e se você é pego num dia desprevenido? O sapato abriu na frente justo naquele dia, ou o salto lascou na calcada, ou na pressa não achou o par desejado e foi com o primeiro a mão, pois estava atrasada. Ou você se arrumou para ir para um jantar chique e acabou a noite num barzinho chulé da Lapa, com salto finíssimo em meio aos paralelepípedos? Imprevistos acontecem.

Eu mesma já tive meus dias de maus sapatos.

Uma vez fui à academia e peguei um tênis antigo, porém ainda novinho e de marca boa, eis que me surpreendi descalça, andando sobre o chão com minhas meinhas. O solado do tênis simplesmente soltou, praticamente se desintegrou. Descalça pra lá e pra cá, ainda fui à lojinha da academia buscar um tênis inflacionado em 200%, mas para a minha falta de sorte, não havia o meu numero. Só uma tal chuteira. Me recusei. Ainda descalça, ou melhor, de meias, andei um pouco pelo shopping para buscar um sapato para mim e a única loja que achei era uma de sapatos finos. Agora imagina eu com roupa de ginástica e de salto fino? Mais ridícula impossível. Me recusei. Sem muita alternativa, e sem poder malhar, me resignei, paguei o estacionamento e fui para casa.

Tenho acho que cerca de 80 pares de sapatos, contando sociais, de salto fino, de salto anabella, salto médio, rasteirinha, botas, tênis, chinelinhos e afins. Realmente não sei se isso é muito ou é pouco. A relatividade depende do ponto de referência. Agora me diz... que impressão eu passei para quem me viu justo neste dia, no estacionamento do shopping apenas de meias, e já imundas a esta altura do campeonato? Como me julgariam?? “Ah, olha ali uma louca resolveu sair de casa de meias. E a coitada, ainda é uma porca, olha a cor da meia dela!!”Enfim, eu estaria lascada.

Madonna usou semana passada um sapato com salto em forma de revólver. Foi na mesma semana que estava sendo divulgado o seu divórcio. Seria ela uma pessoa vingativa?

E Imelda Marcos, ex-primeira dama das Filipinas, era famosa por seus mais de 3.000 pares de sapatos. Podemos julgá-la extravagante e fútil?

Zeca Camargo sempre aparece com sapatos hiper diferentes e coloridos. Seria ele gay por ser fashion?

Eu, no meu dia de cão, descalça no meio do shopping, seria uma mendiga perdida na rua?

Depois dessa, revi meus conceitos. Não vou deixar de ter meus julgamentos à primeira vista... Tá doido? Não sou santa e nem de ferro. Mas agora, além de avaliar os sapatos, vou ser mais cautelosa sobre o contexto geral. Hehehe. Nem sempre é o que parece ser. Ou é. Ainda bem que minha a intuição me ajuda.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

- PROMESSA É DÍVIDA. CADÊ?


Eleições definidas, novos prefeitos e vereadores. Agora só nos resta esperar e aguardar o que será cumprido. Dizem que promessa é dívida. Haha, acho que isso não é muito problema para os políticos. Mas enfim... Sejamos otimistas.

Eu não faço promessas. Parte porque não acredito, mas a razão mesmo é porque eu tenho certeza que não vou cumprir. Então nem arrisco. Vai que a parada se reverte contra mim? Sei lá. O máximo que me dou ao luxo é dar os três pulinhos para São Longuinho... eu realmente preciso dele quase que diariamente, e afinal de contas saltitar três vezes não dói.

Normalmente quem promete, oferece algo em troca. Mais do que justo! Mas não se vê realmente grandes sacrifícios. Hoje as pessoas ficam sem fumar por um mês, ficam sem tomar coca cola, comer chocolate ou coisas assim. Mas isso é realmente sacrifício? Vale o quanto pesa? Então assim, se eu conseguir tal emprego, não como chocolate por um ano. E Deus com isso? E o Santo? Vão pensar o que? “Ahhh legal, vai rolar uma dietinha forçada, você tá precisando mesmo.” Ou então, vou parar de fumar pra sempre. Daí eles pensam: “Hum, melhor assim, porque aí evita o câncer e eu não tenho que ouvir uma nova promessa pra se livrar da doença...”

Acho as promessas engraçadas. Alguns prometem distribuir docinhos no dia de Cosme e Damião. Alguns não. Muitos. O que mais se vê todo santo dia 27 de setembro é um bando de crianças se empanturrando de maria mole, paçoca ou cocozinho de rato (aquele docinho branco). Fiz minha parte, e ponto. Promessa paga! Rendeu o que? Mudou o mundo porque deu um monte de docinhos mixurucas? Alimentou crianças pobres? Vai pagar consulta nos dentistas para as cáries? Acho que não. Porque ao invés de sair distribuindo saquinhos na rua, não doa algo bacana para quem precisa? Porque não faz alguma caridade ao longo da vida e não apenas um dia do ano? Sempre me questionei quanto a esses docinhos duvidosos distribuídos por fiéis agradecidos. Quero não, obrigada.

Tem a famosa promessa de subir os degraus da Igreja da Penha de joelhos. A Igreja ganhou nova iluminação esta semana e está linda. Subir os 382 degraus de joelhos é dureza, e deve ser passaporte direto para o ortopedista. O pedido tem que ser realmente importante e valer a pena. Mas se pensarmos bem, um sacrifício de cerca de uma hora e meia, em troco de uma ótima saúde do filho, por exemplo, é uma barganha, né não?
Há alguns anos passou na TV imagens do Didi, Renato Aragão, pagando uma promessa. Não sei qual foi o pedido, mas ele teve que escalar o Cristo Redentor até o ombro. Pô, maneiro. Quem lembra? Com helicópteros, apoio da prefeitura, da Globo e super hiper bem seguro e assessorado, até eu queria. E sem ganhar nada em troca.

E quem lembra do Zé do Burro no filme Pagador de Promessas? Ahhh esse sim, sabia o que era sacrifício. Em troca da reabilitação do seu burro, prometeu carregar uma cruz imensa nas costas, lá da terrinha dele, até Salvador. Daí ao chegar, conta ao padre o motivo de sua ida, e por ter feito o pedido em um terreno de Candomblé, tem sua entrada vetada pela Igreja Católica. Persistente e irredutível, consegue apoio daqui e dali, de pessoas com interesses diversos, gera maior confusão e acaba morrendo em meio a conflitos. Final triste. Na última cena do filme, os manifestantes colocam o corpo morto de Zé em cima da cruz e entram à força na Catedral. Promessa paga!

Olha não tô aqui para condenar os que fazem promessas. Dizem que a fé move montanhas. Acho importante ter fé e querer algo com muita veemência. Cada um com seu cada um. Mas acho também que não devemos deixar a responsabilidade toda nas mãos dos “santos” e barganhar miserês em troca. Há de ter uma parcela de participação. Eu sou mais aquela: Se Maomé não vai a montanha, a montanha vai a Maomé! E como sabemos que as promessas dos políticos foi o motivo deles se elegerem, cabe a nós, os “santos” que os colocamos lá, diretamente ou não, pedirmos nossos docinhos em troca!
* Filme O Pagador de Promessas, de 1962, foi escrito e dirigido por Anselmo Duarte, baseado em história de Dias Gomes. Na foto os atores Leonardo Villar (Zé do Burro) e Glória Menezes (Rosa).

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

- PARA HOMENS “MODERNOS”: POLE DANCING E CALCINHAS COM GPS


Duas noticias que li recentemente no jornal, me deixaram passada. Não sei se sinto vergonha ou raiva de tamanho retrocesso da sociedade em apresentar assuntos absurdos de forma tão fugaz.

O primeiro deles, dizia que mulheres estão aprendendo danças sensuais, para desestressar os maridinhos que estão sofrendo muito com a crise econômica. Como assim??? A crise econômica, as bolsas despencando, o dólar incontrolável, e o risco de recessão na economia mundial só afetam os homens? Porque? Nós, mulheres, estamos aonde? Na cozinha, preocupadas com o feijão? Costurando meia ou lavando cuecas? Peloamordedeus!

Uma notícia como esta, primeiro, me dá raiva da pessoa que criou a pauta. E depois do editor que aceitou e do jornalista que se prestou a fazer tamanho papelão em escrever uma matéria dessas. E desgosto de quem criou esses tais cursos e das mulheres que se prestam a este papel. Mas não importa. O que fico mais indignada é com a redução do papel da mulher na sociedade. Então vamos exigir que os homens aprendam a pole dance pros dias de estresse? Não quero saber se trabalhou o dia inteiro, se tá cansado, nem nada... Dança aí! Olha a crise econômica! Fez o curso? Aprendeu direitinho? Dança aí! Dança aí! ARG!

A outra noticia dizia que brevemente será lançada numa feira sei lá das quantas (porque realmente não me interessa!!) uma linha de lingeries com GPS, para “agradar”maridos ciumentos. Pera aí, eu li isso mesmo? É isso aí, as calcinhas e sutiãs vêm com um rastreador embutido para os bonitinhos saberem exatamente onde suas mulheres estão. E cada passo ainda poderá ser monitorado por mapinhas através da Internet! A empresa que inventou a tecnologia para as tais lingeries, explica que a novidade foi uma evolução dos GPS disponíveis no mercado para monitorar idosos com demência e cachorros. É. Para aceitar isso só pode mesmo ser uma mulher demente ou cachorra!!

Vou dizer mais, tenho amigas muito bem sucedidas profissionalmente, donas do próprio nariz, do próprio negócio ou da própria carreira, e que ganham e vivem muito bem obrigada. Melhor que muitos amigos homens da mesma idade. Então, quando virem notícias assim, que depreciam as mulheres, por favor... se pronunciem, se irritem, gritem... sutiens não foram queimados à toa. Foi uma luta longa e árdua para chegarmos ao patamar de igualdade de hoje. E que em muitas ocasiões, infelizmente, ainda não é o mesmo.

E querendo ser feminista, porque sou mulher e tenho direito, cá pra nós, as mulheres são muito mais poderosas. Além de terem carreira e ganharem dinheiro, gerenciam suas casas, cuidam dos filhos e ainda arrumam tempo para se manterem bonitas e femininas para o mundo. Nosso único defeito é que não vivemos sem os homens. Não mesmo!! Ô coisa boa e complicada da nossa vida. Mas aí já é oooooutro papo.


I'm a bitch, I'm a lover
I'm a child, I'm a mother
I'm a sinner, I'm a saint
I do not feel ashamed
I'm your hell, I'm your dream
I'm nothing in between
You know you wouldn't want it any other way…
... So take me as I am
This may mean
You'll have to be a stronger man…
. BITCH – MEREDITH BROOKS

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

- ME DEIXA VIVEEER... dicas úteis e fúteis.


- Assisti essa semana o dvd do Homem de Ferro. Na verdade peguei assim meio descrente, tipo... foi o terceiro filme que coloquei embaixo do braço, sem pretensões, sem expectativas. Surpresa!! O filme é ÓTIMO!

Para quem não lembra, o Homem de Ferro, da Marvel, foi criado, em 63. Tony Starks é um homem inteligentíssimo, grande inventor e dono das empresas Starks. Capturado na guerra do Vietnã, desenvolve uma armadura para conseguir escapar. Já livre, decide aprimorar sua invenção, e usá-la em beneficio da humanidade. No filme, o protagonista é Robert Downey Jr. Excelente no papel. O homem de ferro é um rico excêntrico e fanfarrão, papel que se encaixou como uma pluma em Robert. Adaptações fazem o empresário ser capturado no Afeganistão, ao invés do Vietnã. Galera, bom mesmo. O final então, não tem como não gostar.

Ah, e as primeiras cenas começam ao alto som de Back in Black, do AC/DC, que eu amooo. Rock’n’roll total! Até para que não gosta, há de concordar... sonzão!

- O calor tá chegando ao Rio, o que é muitcho bom. Mas junto com o sol, praia, cores alegres, suadouro, e blábláblás do verão, vêm os mosquitos. Eca. Eu já comprei minha raquetinha maxi-exterminadora. Haha. Aquela que vende em camelôs e sinais. Geeeente, o mosquito vira farofa. Tsssss. Uma chamuscada, uma luzinha, e descarga elétrica nele! Haha. Politicamente correto? Claro que não, é sádico eletrocutar o bicho. Mas evita as picadas, e confesso que dar umas raquetadas é até bem terapêutico.




- Para quem gosta de futebol, descobri uma loja óóótima, que faz réplicas de camisas de futebol de diversos times: Liga retrô. As réplicas são inspiradas em times inesquecíveis, em partidas marcantes, ídolos e momentos que fizeram a história do futebol mundial.

As camisas ainda vêm com um cartão que conta histórias e curiosidades sobre cada réplica, redigidas pelo jornalista Paulo Vinícius Coelho - colunista da ESPN e do Lance. Tem dica melhor de presente pra homens, que sempre são uns chatos? Hahaha.

Desculpe, não quis soar feminista, mas dar presentes pra homens realmente é uma tarefa difícil. Mulher fica satisfeita com qualquer brinquinho, uma blusinha, lingerie, camisola, sapato, bolsa, enfim... já homem, aff. Então aí vai a dica para todos: para homens e para as mulheres que querem presenteá-los. Ah, para as amantes do esporte, tem também uma linha feminina. Vende pelo site: http://www.ligaretro.com/

Ps. Não ganho royalties para indicar o filme, não ganho comissão de camelôs pelas raquetinhas, muito menos desconto na loja das camisas. Mas o que é bom, vale indicar, né não?
PS2. Playlist com AC DC. Olha, só coloquei três músicas, as mais conhecidinhas, vai. Antes de alguém vir reclamar que é rock pesado, na na ni. É rock do bom!

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

- SÓ VIM PARA DANÇAR


Queria ter mais tempo para me dedicar à redação. Mas o corre e corre, o trabalho, as preocupações, o cansaço e outros afazeres e prazeres, me impedem de me empenhar mais do que gostaria.

Depois que comecei o blog, várias amigas* me confessaram o desejo de escrever também. Dou maior apoio. É terapêutico, prazeroso e além de criarmos uma cumplicidade com as pessoas de uma forma quase instantânea e única, e pessoas até que nem conhecemos.

Mas não é fácil. Quer dizer, fácil até é para quem curte e sabe escrever, mas demanda tempo. E o tempo, hoje em dia, é raridade em nossas mãos.

Pra começar, primeiro deve-se pensar em um assunto. Alguns simplesmente fluem e saem como um enxame voando afoitamente para uma colméia de idéias. Ui que brega, mas não vi metáfora melhor para descrever o turbilhão de palavras que borbulham na cabeça, e que me fazem querer correr para o computador em certas situações.

Outras vezes dá branco total, e nada parece agradar. Quantos textos já comecei e abandonei pela metade, por achar que não rendeu o que eu esperava?! Delete! Outros comecei de uma maneira e desvirtuei o assunto de tal forma, que a idéia inicial nem apareceu mais na tela.

Bom, e alguns assuntos precisam de uma prévia pesquisa para um melhor embasamento. O que faz demorar mais um pouquinho.

Enfim, pauta decidida, informações na cabeça: mãos à obra! Um sonzinho para animar os dedos no teclado e vamos lá. Escreve, escreve, escreve, mexe aqui, apaga ali, copy/ paste parágrafos para organizar melhor. Correçõezinhas aqui, ihhh, mais outras ali. Pronto. Agora um título. Hum... e uma foto para ilustrar. Nova pesquisa. Preciso de idéias. Achei! Concluído? Quase. Mais uma lida, para a aprovação final. Pronto!! E assim nasce mais um POST.

E então vem o comprometimento de manter o blog em dia. Daqui a três ou quatro dias, tem que escrever de novo. É, meu amigo, ta pensando o que? Quem vai voltar a sua página desatualizada? Se eu fico mais de cinco dias sem dar notícias, já começo a receber mensagens, tipo: “abandonou?” Ou:” Escreve mais. Tô querendo ler, Dani”. Alguns ainda me ligam: “Escreve, garota!!” Ain. Tá, tá. Eu também quero escrever mais, mas não consiiiiiiiiiigo. Hahaha. Reclamo não. A pressão é boa. Estimulante.

As sugestões sobre assuntos também são recorrentes entre os leitores. Fala sobre isso, escreve sobre aquilo, ouço sempre. Acho legal. Já o meu pai acha que aqui é tipo um disque-denúncia, hahaha. Ele quer sempre que eu retrate algum fato injusto que aconteceu com ele. Mas e comigo não? Vivo as voltas brigando, berrando e me estressando com serviços mal prestados (odeio telemarketing), vivo me decepcionando com atitudes de pessoas que esperava mais, vivo reclamando das injustiças do mundo... mas não dá pra falar só sobre isso, né? Infelizmente é preciso abstrair, senão piramos. Ligar para o disque-denuncia, para defesa do consumidor, pro Procon, pro Bat-fone ou até pra Deus, se ele tivesse uma linha direta, não ia adiantar mesmo. Escrever muito menos. Só para desabafar e vá lá. O que até acontece de tempos em tempos.

Bom, a descrição de como nascem os meus posts é pessoal. Não sei como é o período de gestação dos outros, pois sou blogueira novata e conheço meia dúzia de três (haha) que escrevem. Na verdade, apesar de ser jornalista, nunca parei para perguntar sobre o processo criativo das pessoas. Até gostaria de ouvir outras opiniões.

Para mim os textos são assim: uma porta que o escritor abre em sua mente e convida quem quiser entrar. Uma invasão à intimidade, porém, permitida e bem quista. Pois, por mais que o texto seja sobre assuntos aleatórios, o leitor sabe como o escritor pensa, e com uma percepção um pouco mais apurada, não demora a definir traços da personalidade de quem escreveu.

Talvez por isso seja terapêutico, porque abrimos nossas almas e conversamos com uma folha em branco sem medos, e sem restrições. Hummm... restrições sim, mas a assuntos, e não a palavras. Assuntos controversos e polêmicos são mais cansativos, sei que por vezes necessários, mas é bom também falar sobre banalidades da nossa vidinha cotidiana. Afinal, não estou aqui para ser sempre politicamente correta, até porque eu não sou! Em geral, venho só para me divertir. Baila comigo?

* Nicole, Roberta e Ana Paula.... cadê?